REABILITAR. FORTALECER. PREVENIR.

Seja qual for o seu objetivo, vamos trabalhar juntos para alcançar o melhor resultado, visando sempre seu bem estar.

Após uma avaliação minuciosa, nossos profissionais irão indicar o melhor tratamento seguindo protocolos baseados em evidências científicas e buscando atingir os melhores resultados. Caso você já tenha prescrição emitida por um ortopedista, entraremos em contato com o médico para trocar informações sobre seu tratamento e ao final um relatório da sua evolução será enviado.

Contamos com infraestrutura completa com equipamentos importados e de última geração para uma profunda e ágil recuperação. Agimos no foco do problema.

E depois? Na Physio, seu tratamento é só o começo de uma vida cada dia mais saudável. Com nosso acompanhamento constante, você pode permanecer em evolução, conhecer e optar por nossos programas de condicionamento físico, pilates, massagens e outros a fim de manter e melhorar os seus resultados.

Nossos tratamentos atuam nas patologias de diversos segmentos:

  • Coluna: artrose, hérnia de disco, protusão de disco
  • Quadril: Artrose, artroplastia, impacto
  • Joelho: ligamentos, menisco, artrose
  • Ombro: síndrome do impacto, luxação, fratura
  • Pré e pós-operatório

SAIBA MAIS

A cervicalgia (segmento cervical da coluna = pescoço) e a lombalgia (segmento lombar da coluna = costas) são os quadros dolorosos mais comuns da coluna vertebral e podem ser ocasionados por diversos fatores. Entre as principais causas da dor destacamos a artrose, a hérnia e a protusão de disco.

  • Artrose: Também chamada de osteoartrite, ataca as articulações promovendo, principalmente, o desgaste da cartilagem. Isso pode gerar dor, inchaço e limitação de movimentos.
  • Hérnia de disco: Quando parte interna de um disco intervertebral sai de sua posição normal, podendo comprimir uma raiz nervosa. Os sintomas mais comuns são dores na coluna, que podem ser acompanhados de formigamento ou sensação de parestesia (nos braços quando acomete a região cervical e nas pernas quando acomete a região lombar). A degeneração do disco desencadeada pelo tempo, hábitos posturais inadequados e sedentarismo são as principais causas da hérnia de disco.
  • Protusão de disco: Estágio que antecede a hérnia de disco no processo de degeneração do disco intervertebral. Os sintomas característicos são parecidos com os da hérnia de disco, mas geralmente com menor intensidade.

COMO TRATAR?

O tratamento irá depender das causas e do grau identificados após a avaliação. Geralmente o tratamento inicial consiste na associação de medicamentos (administrados pelo médico) e técnicas combinadas de terapia manual, liberação muscular, alinhamento postural, controle motor, fortalecimento e orientações. Quando indicado pela avaliação dos subgrupos, utilizamos a maca de descompressão vertebral que atua no disco intervertebral de forma específica e segura, aumentando o espaço intervertebral e diminuindo a compressão nervosa.

Para prevenir, o é importante manter hábitos posturais saudáveis e a prática de exercícios físicos específicos supervisionados ao longo da vida.

Articulação que liga a coxa à pelve, apresenta grande amplitude de movimento multidirecional e sua principal função é suportar o peso, equilibrar o corpo em posturas estáticas e dinâmicas, proteger o sistema reprodutor e a parte inferior do sistema digestivo.

Seja por traumas ou por quedas, as lesões nos quadris causam dores na região glútea, lombar ou da virilha. Dentre os possíveis dores podemos destacar:

  • Artrose: Doença degenerativa crônica, muitas vezes não causa dor em seus estágios iniciais.  O espaço articular sofre redução e os movimentos ficam mais limitados.
  • Artroplastia: Substituição cirúrgica da articulação do quadril por uma prótese, indicada para restaurar o movimento e aliviar a dor. Período de hospitalização curto e recuperação acelerada, geralmente o paciente inicia sua reabilitação junto à equipe de fisioterapia no dia seguinte à cirurgia.
  • IFA (Impacto femoroacetabular): As irregularidades anatômicas da junção da cabeça-colo-fêmur e/ou acetábulo e algumas atividades de sobrecarga repetitivas podem gerar lesões na região, chegando posteriormente a uma degeneração precoce desta articulação.

COMO TRATAR?

Após identificar se houve uma alteração da mobilidade articular do alinhamento do quadril e também avaliar o grau de dor, nossa equipe determinará o melhor tratamento. Este pode ser iniciado com medicamentos de ação anti-inflamatória combinados com técnicas de fisioterapia para atuar no alívio de dores, melhorar a amplitude do movimento da articulação, flexibilidade e força muscular, prevenir ou retardar até mesmo o processo degenerativo da cartilagem, por exemplo.

Previna-se: o trabalho de CORE e estabilizadores de quadril e joelho, associado ao trabalho de estabilizadores de tornozelo, pode diminuir a dor e sua progressão!

É estabilizado pelos ligamentos, meniscos, cápsula e músculos que o cercam e está sempre sujeito a sofrer lesões, tanto traumáticas (acidentes e quedas), quanto degenerativas (desgaste e envelhecimento).

  • Ligamentos: As estruturas que conectam as extremidades dos ossos e percebem a velocidade, movimento e posição da articulação são as que mais sofrem lesões, desde pequenos estiramentos até rupturas parciais ou totais.
  • Menisco: Protege as extremidades dos ossos e tem importante papel na absorção de choques mecânicos. Pode ser lesionado quando o joelho é rodado ou dobrado com força acima do normal ou sofre grande impacto.
  • Artrose: Desgaste da cartilagem articular, que geralmente acomete joelho, coluna lombar e cervical, dedos das mãos e quadril. Clinicamente caracteriza-se por dor, rigidez matinal, crepitação óssea e atrofia muscular. A incidência aumenta com a idade o peso corporal.

Como tratar

Após a avaliação, o tratamento será escolhido dependendo do tipo e gravidade da lesão, considerando a idade, condição de saúde e nível de atividade (trabalho, esporte ou hobbies) do cliente.

Os programas serão específicos e individualizados, buscando uma rápida reabilitação e retorno para as atividades diárias.

Composto por ossos e articulações, ligamentos e tendões, músculos, nervos, vasos sanguíneos e bursa, responsável por inúmeros movimentos e posições de braços e mãos. Os principais problemas atendidos são:

  • Síndrome do Impacto: uma das lesões mais comuns no ombro, causada pela pressão exercida pelas estruturas ósseas sobre a musculatura e outros tecidos moles.
  • Luxação: A luxação é definida como a “perda do contato articular”. No ombro, ocorre quando a cabeça do úmero (osso) se desloca do seu local de origem, na maioria das vezes indo para frente e para baixo (deslocamento anterior). Os sintomas são restrição da mobilidade, dores e alteração no formato do ombro.
  • Fratura: Estão relacionadas a dois mecanismos de trauma: nos pacientes mais jovens, são causadas principalmente por acidentes de carro ou moto. Já nas pessoas acima dos 50 anos, podem ocorrer em traumas mais leves e estão comumente relacionadas à osteoporose.

Como tratar?

Os tratamentos serão indicados sempre após uma investigação precisa e detalhada, considerando características da dor como intensidade, localização, frequência etc.

O trabalho será associado, incluindo reeducação postural, exercícios assistidos, fortalecimento muscular etc., visando a melhora e retomada da função do braço.

Na maioria das vezes as lesões podem ser tratadas com recursos de fisioterapia, porém existem quadros em que há necessidade de recorrer ao procedimento cirúrgico, principalmente em ombros, joelhos, quadril, tornozelo e coluna. Nesses casos, a fisioterapia tem papel fundamental para a recuperação e reabilitação de cada pessoa.

É recomendado que o tratamento seja iniciado no pré-operatório, para auxiliar na recuperação e auxiliar no tratamento pós-operatório, deixando-o mais rápido e funcional.

A reabilitação após a cirurgia ameniza a dor, edema, inflamações e auxilia no restabelecimento e amplitude de movimentos, força muscular e funções.

MARQUE UMA AVALIAÇÃO!

E venha conhecer a nossa metodologia e tirar todas as suas dúvidas sobre: tratamentos para coluna, ombro, joelho, pré e pós-cirúrgica, desempenho esportivo e outros.